Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Empresas estatais recolhem menos impostos

Edição: 06/2014

Um dos fatos mais curiosos nos resultados das empresas estatais, senão prejudiciais ao conjunto da sociedade, é a revelação dos dados sobre o recuo no recolhimento de tributos. Medido em porcentual do PIB, a redução quase coincide com a elevação da taxa de investimento das estatais federais no período 1995-2013.

"É como se o governo dissesse: não vejo que você está me pagando cada vez menos impostos desde que você invista cada vez mais", resume o economista José Roberto Afonso. Embora vendam mais, comprem mais e paguem mais salários, as estatais recolhem cada vez menos impostos. "Como sempre, a Petrobrás deve liderar esse movimento", diz.



A avaliação dos números inéditos obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo mostra uma retração substantiva de tributos, sobretudo no período recente: se eram 3,2% do PIB em 2005, recuaram para 2,14% em 2013. Ou seja, nos últimos oito anos, o chamado uso com tributos e encargos recuou 1,06 pontos porcentuais do PIB na comparação com a elevação de 1,02 pontos com o uso com investimentos.
Carga tributária

É bem relevante a coincidência entre os dois fluxos e, segundo a avaliação de Afonso, surpreende ainda mais porque a carga tributária bruta global do país teve uma evolução oposta no mesmo período - cresceu 2,5 pontos nesse período, de 35% do PIB em 2005 para 37,4% em 2013.

"É possível inferir que, se a carga das estatais caiu em 1 ponto, o peso sobre os demais contribuintes cresceu ainda mais", diz Afonso. Para ele, foram ao menos 3,5 pontos porcentuais do PIB para atenuar e compensar o efeito da redução de impostos das estatais.

O movimento desperta, no mínimo, curiosidade. Sob forte controle de preços exercido pelo Palácio do Planalto, o resultado mais visível do recuo no recolhimento de tributos pelas estatais foi a redução das receitas operacionais. Esses ingressos caíram apenas 0,68 pontos do PIB, mas a folha de salários cresceu 0,17 pontos e até mesmo a compra de insumos expandiu-se em 0,74 pontos.

"Restaria a hipótese de queda dos lucros para explicar a menor tributação, mas de qualquer forma o Imposto de Renda não é tão decisivo na arrecadação", avalia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte
Pequenas Empresas & Grandes Negócios

 

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Boletins especiais