Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


8 atitudes que podem transformar crises em verdadeiras catástrofes

Edição: 07/2014

Existem inúmeras formas de transformar um simples problema em algo muito maior. Infelizmente, muitos empreendedores consideram alguns desses hábitos qualidades desejáveis. O site da "Fast Company" elencou oito comportamentos que resultam em mais dor de cabeça.



1. Ser otimista demais
Muitas publicações sobre empreendedorismo enfatizam a atitude positiva. Essa postura, porém pode ser perigosa principalmente quando a tarefa é mais complicada do que parece ser. Ter uma visão balanceada da realidade, com um toque de otimismo, é fundamental para manter os pés no chão.

2. Negar que o problema existe
Alguns empreendedores acreditam que se eles não mencionarem o problema, ninguém o descobrirá. A verdade é que seus funcionários provavelmente estão tão ligados quanto seus chefes. Negar que a situação está complicada só aumenta o medo e a decepção das pessoas.

3. Oscilar entre tentativas e erros
Ter um negócio também significa experimentar, e há, de fato, espaço para isso. Mas não durante crises. Em situações delicadas, o empreendedor perde o direito de errar, já que um passo em falso pode levar o negócio à falência.

4. Abandonar o bom senso
Em um momento de crise, o bom senso é fundamental. Em vez de ceder a um impulso e tomar uma decisão rápida, o melhor a fazer é respirar fundo e se prudente. Mais vale apostar em análises cuidadosas e decisões viáveis. Outra boa dica é procurar a ajuda de consultores de confiança.

5. Resolver tudo sozinho
A sociedade atual se baseia no individualismo – o próprio mundo do empreendedorismo prega que devemos nos destacar da multidão, pensar diferente e sermos inovadores. Mas um líder de perfil centralizador sofre mais ao gerenciar uma crise. Você é responsável por pessoas demais para tentar segurar sozinho todas as pontas. Isso pode ser atenuado com a ajuda da equipe. Reconheça os esforços de seus funcionários e aceite suas opiniões.

6. Usar apenas a lógica
Não ceder a impulsos e à intuição é importante, mas não deixe o lado emocional de lado. É mostrando garra e paixão que o empreendedor engaja seus colaboradores e os leva a solucionar um problema. Sem o lado emocional, fica mais difícil contar com a equipe.

7. Botar a culpa nos outros
Culpar alguém enfraquece a imagem de um empreendedor, além de deixar nítido que o líder não sabe controlar a situação.

O medo de ser culpado inibe funcionários, que acabam escondendo problemas sérios. Quando tudo está complicado, o melhor não é punir e, sim, arregaçar as mangas e fazer algo.

8. Pegar pesado
Em épocas de crise, há uma tendência natural de demandar mais de profissionais, mas isso deve ser feito com cautela e respeito. Redução de salários, horas extras compulsórias e cortes de benefícios não devem ser sugeridos nem impostos.

Fonte
Pequenas Empresas & Grandes Negócios

 

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (1)

-
mais que rapidamente, salvei este artigo nos meus documentos, tão lúcido que ele é. Será, por algum tempo, a minha leitura de "cabeceira do Escritório'. Ele é simplesmente estimulante para que deixemos alguns (muitos) vícios ocultos que temos e que não queremos admitir. Mas vocês são verdadeiros magos e nos curam de qualquer doença empresarial. Muito Obrigado e ... Parabéns!
-
Olá Valeria, boa tarde!

Obrigada por comentar. Continue aproveitando gratuitamente as dicas que o Sebrae/PR disponibiliza aos empresários de todo o estado, assista aos vídeos da coleção Sebrae Pocket, acesse: bit.ly/1u2L6VU

Sucesso e boa sorte!

Boletins especiais