Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


De onde vêm as melhores ideias de startups?

Edição: 01/2015

No seu livro “O Dilema da Inovação”, Clayton Christensen categorizou três tipos de inovação: a que ele chamou de “melhorias de performance”, que substitui antigos produtos por modelos novos e melhores; as “inovação de eficiência”, que faz com que produtos já estabelecidos sejam vendidos melhores e por maiores preços; e, por fim, as inovações “market-creating”, que transformam produtos caros e complicados tão radicalmente que acabam criando uma nova classe de consumidores, ou um novo mercado.



Destaque que as “escolas de pensamento” abaixo foram livremente criadas por mim, não há nenhum documento que as classifique como tal. Também é importante dizer que inovação em startups é um problema diferente de inovação em uma empresa estabelecida. Entretanto, precisamos observar como grandes nomes do mercado enxergam a questão de inovação e ideias no setor de tecnologia, e a simples reflexão de todos esses pensamentos pode ajudar, e muito, você a encontrar seu próprio caminho.

A partir dessas definições e dos principais cases de sucesso na área de tecnologia, podemos fazer algumas hipóteses sobre de onde vem a inovação, organizadas livremente em escolas de pensamento:

1. Emocional, de Marty Cagan: o criador do Silicon Valley Product Group chamou seu livro de “Inspired: How to develop products people love”, ou seja, “como desenvolver produtos que as pessoas amam”. De acordo com ele, as pessoas irritadas definem o futuro da tecnologia. Quanto maior o nível de raiva ou frustração que o setor causa ao cliente (como telecom, bancos, burocracia, empresas aéreas, planos de saúde, etc), maior a chance de sucesso do produto que resolva esses problemas.

2. Mecanicista, de Steve Blank: ele diz que a inovação não é apenas implementar uma ideia criativa, mas procurar uma forma de transformar algum aspecto da ideia em algo que os consumidores querem tanto que pagariam para ter.

Para ele, portanto, a ideia é irrelevante. Blank traz uma visão de empirismo extremo, na qual existe um processo sistemático de experimentos e validação de hipóteses que fará com que você chegue ao sucesso, se estiver em um mercado suficientemente grande. O problema é que você pode ficar sem dinheiro antes de terminar esta trajetória e chegar à validação do seu modelo de negócio.

Para atacar este tema, Eric Ries trouxe o movimento Lean (traduzido como enxuto) para estender o trabalho de Blank. A ideia é que você deve ser o mais enxuto possível para ser eficiente nesta busca e conseguir chegar ao ajuste produto x mercado antes que o dinheiro acabe.

3. Financeira, de Steve Denning: Denning afirma que a raiz do problema da falta de inovação de mercado é que as variáveis pelas quais os executivos são avaliados são relacionadas a lucros de curto prazo, e não sobre ROIC ou ROA (Retorno sobre Capital Investido e Retorno sobre Ativos).

A falta de inovação de mercado e a busca de ganhos de curto prazo fazem com que se precise de cinco vezes mais capital para ter o mesmo retorno financeiro. Se medimos a coisa errada, induzimos o comportamento errado e temos o resultado errado.

4. Cultural, de Mark Zuckerberg: quando dizemos que o Facebook tem uma “Cultura de Hacking” a ideia não é que os funcionários ficam invadindo sistemas para se divertir. Hackear um sistema, segundo o Facebook, é entender a diferença entre realidade percebida, ou o que as pessoas acham que são as regras, e realidade, as regras reais que explicam o sistema.

Neste contexto, a inovação aparece quando você hackeia o sistema e faz produtos que entrem nessa brecha. No prospecto do IPO do Facebook, o próprio Zuckerberg definiu o “Hacker Way” como construir algo rápido ou testar os limites do que pode ser feito.

5. Dinâmica, de Eric Schmidt: a inovação para ele está na busca por mudança com o uso de talento criativo. Em um mundo no qual as mudanças são cada vez mais numerosas e rápidas, as inovações vêm das próprias pessoas, que o Google chama de “smart creatives”, ou talento criativo.

Para esta escola, o problema das empresas atuais é querer minimizar riscos ao invés de maximizar a liberdade e a velocidade. A única forma de inovar, segundo Schmidt, é atrair talentos criativos e criar um ambiente no qual eles possam prosperar com escalabilidade. Para eles, a inovação não pode ser apropriada ou determinada, mas permitida.

6. Radical, de Peter Thiel e Elon Musk, integrantes da “Máfia do PayPal”: para Thiel, um negócio inovador deve responder a sete questões: “você tem uma tecnologia que é um avanço?”; “seu “timing” está certo?”; “alguém mais faz isso?”; “você tem as pessoas certas?”; “você pode vender seu produto?”; “seu produto ainda estará disponível em dez anos?”; e, por fim, “você sabe de algo que ninguém mais sabe?”.

Segundo eles, quanto mais respostas para essas sete perguntas o seu negócio tiver, mais chance de sucesso ele tem. Mas se você não consegue responder a maior parte das dúvidas, aumenta a chance de fracasso.

Fernando de La Riva é diretor-executivo da Concrete Solutions, consultoria global de TI


Fonte
Revista Exame

 

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Boletins especiais