Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Defenda-se da concorrência desleal

Edição: 02/2011

A revelação, feita por colegas da área, foi um choque para a empreendedora Márcia Freyberger. Ainda sem acreditar, ela pediu a amigas que se passassem por clientes para checar a informação. Era verdade. Uma funcionária de sua empresa, a paulista Madri Festas, especializada em recreação infantil, não só havia aberto uma operação rival às escondidas como tinha copiado todos os seus métodos de trabalho. Após investigar mais, descobriu que ela ainda furtava peças para uso nos eventos concorrentes. “Meu material estava sumindo. No começo, não associei uma coisa à outra. Achei que podíamos ter esquecido itens em locais onde tínhamos estado. Mas acabamos por desmascará-la. Fiz até BO (boletim de ocorrência), aconselhada por meu advogado”, diz. No fim, a desonestidade não prosperou: a ex-contratada acabou por fechar o empreendimento sem conseguir muitos clientes, segundo Márcia apurou com conhecidos do mercado.

A Marte Rótulos Especiais, também de São Paulo, viveu um drama semelhante ao da Madri. Um vendedor, seduzido pela chance de ganhar mais, tornou-se sócio de uma concorrente também do ramo de impressão de rótulos e adesivos. No entanto, em vez de sair do trabalho e abraçar o novo desafio, preferiu continuar no emprego. Passou dois anos no jogo duplo: fechava negócios tanto para sua empregadora quanto para ele. Ao ser descoberto, foi demitido por justa causa. Mas o ex-funcionário continua até hoje à frente da gráfica rival.

Casos como o da Madri e da Marte são mais comuns do que se imagina. Funcionários, fornecedores e até clientes podem ceder à tentação de tomar inspiração no sucesso de um negócio. Até aí, tudo bem. O problema começa quando se copia descaradamente. Ou quando são usados dados sigilosos de um patrão (ou ex) para obter vantagens de mercado, como roubar contratos e ideias.

A empresa lesada pode recorrer à Lei de Propriedade Industrial, que prevê punições para a concorrência desleal, com reparações materiais e penas de três meses a um ano de detenção. “Qualquer prática desonesta relacionada ao comércio ou ato danoso praticado por alguém no âmbito dos negócios podem ser enquadrados nesse gênero”, afirma Mauro Sodré Maia, procurador-geral do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). Mas para ganhar uma indenização é preciso reunir provas, como documentos, e-mails e testemunhos de clientes. E se preparar para uma longa batalha jurídica.

No Brasil, as leis de patentes e de direitos autorais preveem proteção para marcas, produtos, obras culturais, softwares, desenhos industriais, design gráfico e de objetos. Ideias, métodos e sistemas, por outro lado, não têm salvaguarda. Na prática, significa que, em nome da livre concorrência, é possível copiar um conceito, como abrir um estabelecimento nos mesmos moldes de outro já existente.

Para Maia, as empresas precisam se antecipar aos problemas se quiserem se proteger. “O empregador tem de estabelecer no contrato de trabalho todas as condições da relação com o funcionário, inclusive o tratamento do conhecimento que este venha a produzir.” Se o empregado não tiver sido contratado especificamente para desenvolver um produto, pode ganhar direito de ser co-autor de uma patente.
 
O advogado Carlos Max Oliveira da Silva, especialista em propriedade intelectual do escritório Montaury Pimenta, Machado & Vieira de Mello, acrescenta que os contratos com funcionários, terceirizados e fornecedores devem prever cláusula de proteção. “A empresa pode incluir nos documentos um texto no qual proíbe o uso de seu capital intelectual ou de qualquer informação sobre seu negócio para fazer concorrência. Algumas companhias estabelecem até períodos de quarentena remunerada para seus executivos não abrirem negócios rivais ou se transferir.”

A segurança jurídica, entretanto, não é a única maneira de lidar com esse tipo de problema. Com 12 anos de mercado e uma média de 70 eventos por mês, a Madri Festas acostumou-se a ver suas ideias plagiadas. “Nossa exposição é muito grande. Inventamos o Teatro Livro, que é uma peça encenada dentro de um livro-cenográfico gigante, e em poucos meses vi um produto igual aparecer no mercado”, diz Márcia. Como é impossível evitar que os concorrentes se inspirem nas novidades, ela encontrou na rápida reciclagem das brincadeiras a melhor maneira de compensar a falta de proteção.

Após o episódio da ex-funcionária concorrente, Márcia passou a estimular o empreendedorismo interno. Ela incentiva e orienta os colaboradores que desejam abrir seus próprios negócios na área. “Melhor ter um amigo que um competidor”, afirma.


Fonte:
http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI192231-17155,00-O+FUNCIONARIO+QUE+COPIAVA.html

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (7)

-
No meu caso esta abrindo um concorrente em frente ao meu isso é legal?
-
  Olá bom dia!

Obrigada por comentar. Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Se preferir agende um horario com um dos nossos consultores através da central de relacionamento 0800 570 0800, o atendimento é gratuito.

Aguardamos a sua visita!
-
ue direitos legais eu tenho pra não coiparem minha loja? Posso criar um contrato? Meu concorrente montou sua loja o lado da minha e copiou tudo, laiout, araras, decoração, vitrine...e tbém roupas iguais as ue tenho na loja...entendo iue é pra me prejudicar...uero respaldo juridico..o ue fazer?
-
Olá Sandra, bom dia!

Obrigada por comentar. Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Se preferir agende um horario com um dos nossos consultores através da central de relacionamento 0800 570 0800, o atendimento é gratuito.

Aguardamos a sua visita!
-
Muito bom o conteúdo. Eu tenho uma empresa que trabalha com venda e assistência tecníca de produtos agrícolas, morro em uma cidade pequena, aqui somos nos e mais uma outra loja, então 2 lojas no mesmo ramo e a +ou- 2 anos compramos a loja concorrente e continuamos com os mesmos funcionários. Continuamos com ela aberta por um ano e fechamos porque as marcas que nos trabalhamos não aceitaram um mesmo dono com assistência autorizada de duas marcas concorrentes. Então o funcionário que trabalhava conosco nesta loja que foi comprada quis abrir seu negocio próprio ( voltou a ser concorrente de novo). O problema é que ele esta usando de má fé,. Ex: como trabalhamos com assistência fica falando pra clientes que colocamos peças usadas nas máquinas, trocamos peças que não precisam ser trocadas. Já estamos 10 anos no mercado nunca tivemos problemas como esse. Fiquei sabendo disso pelos próprios clientes...tem clientes que graças a Deus mesmo assim voltaram...mas tem outros que perdemos.... Não sei o que fazer .
-
Olá Elisangela, boa tarde!

Obrigada por comentar. Você pode fazer uma consultoria presencial em uma de nossas unidades. Nossos consultores estão prontos para recebê-la e orientá-la. Acesse nosso portal bit.ly/1idRBBd e encontre o Sebrae mais próximo de você.

Aguardamos a sua visita!
-
MUITO BOM O CONTEÚDO ! VOCÊS ESTÃO DE PARABÉNS !!!!
-
falto dialogo com os funcionarios
-
muito boa, esta matéria. me alertou de alguns cuidados que eu venho tendo, obrigada!
-
eu tenho uma micro empresa no ramo de reciclagem, foi bastante dificil conseguir a legalização, e depois de tanta luta conseguimos. então logo ao lado surgiu uma concorrencia desleal o próprio cunhado do meu marido, a empreza dele não tem nenhuma licença para operar, por isso pode cobrar mais brarato para recuperar, enquanto eu pago R$600,00 para ecenssis receber o meu lixo, ele dá uma coca-cola pra os coletores publicos levar o dele. é desleal ou não é? mas pessoas assim são incopetentes e não vão longe.

Boletins especiais