Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Aceita cartão aí?

Edição: 12/2015

Apesar de ser a grande tendência de uso pela população, os comerciantes ainda seguem na contra-mão e resistem a utilização da maquininha de cartões.

Segundo o IBET – Instituto Brasileiro de Estudos Tributários e também a FGV – Fundação Getúlio Vargas, dos 17 milhões de estabelecimentos comerciais no Brasil, somente 2,5 milhões utilizam a maquininha como meio de recebimento, sendo que, a maior parte desse grupo são as micro e pequenas empresas.

Pesquisa realizada num universo de 610 estabelecimentos comerciais, dentre pequenas, médias e grandes empresas, assinalaram o seguinte:

43% de um grupo de comerciantes entrevistados julgam que as tarifas cobradas pelas operadoras é injusta
82% dos comerciantes que aceitam os meios eletrônicos como forma de recebimentos, perceberam aumento no tíquete médio de R$ 76,66 para compras em dinheiro, de R$ 128,24 para compras no crédito e de R$ 242,28 para compras no crédito parcelado
91% dos comerciantes tem preocupação com a segurança quando as transações ocorrem em dinheiro
67% dos caixas preferem pagamentos em cartão
55% acreditam que a aceitação de cartões reduziria filas no caixa
64% concordam que transações em dinheiro geram custos mais altos
70% dos comerciantes necessitam ir ao banco 1 a 3 vezes por semana em função das transações em dinheiro
41% dos comerciantes já foram vítimas de assalto nos últimos 3 anos
25% dos comerciantes pagam seguro contra roubo, e destes, 60% têm convicção de que pagariam menos seguro caso manuseassem menos dinheiro

E agora?
Faço meus cálculos e a conta não fecha!


Com tantos argumentos favoráveis ao uso de maquininhas, ainda assim a proporção de adeptos ao sistema é baixo… quais seriam outras razões para não operar com este sistema?

Alguma dificuldade de acesso a esse sistema?
Ainda preferir o financiamento próprio aos seus clientes?
Não acompanhar a evolução do mercado?
Tentar (achar que) não gerar movimentação financeira formal do seu negócio?
Não confiar no sistema?
Qual é a sua opinião?

Fonte: Edmilson Koji Tanaka

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (6)

-
(14) Tenho um comércio e queria adquirir uma máquina de cartão de crédito e débito
-
É melhor usar as maquinhas e pagar uma pequena taxa para as operadoras do que perder o que se vende fiado, enquanto haver comerciantes vendendo fiado todos seremos prejudicados, tudo evolui, temos que evoluir ou conviver com prejuízos, esta na hora de acordar.
-
 Olá Adriana, Bom Dia;

Obrigado pela sua participação no boletim! Sobre pagamento com cartões: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/capa_guia_para_o_empresa-urio_final_baixa%20copia_merged.pdf
-
pretendo trabalhar com a maquina to com dificuldade por causa do meu cpf.
-
 Olá Aparecida, Bom dia!

Obrigado pela sua participação no boletim! Recomendo verifique com a operadora, pois o cadastro será efetuado através do CNPJ da empresa contratante da máquina de crédito e débito.
-
Este texto está mais para um Informe Publicitário sobre o sistema de cartões do que para uma abordagem séria sobre o assunto. Em primeiro lugar, apesar de toda a publicidade dos benefícios dos cartões, ainda é um sistema muito caro. Pagar 2,5% sobre uma transação de débito, é praticamente uma extorsão. Uma transferência bancária para contas do mesmo banco têm custo zero. Dentre as opções do autor para apurar as possibilidades da falta de interesse por parte dos empresários, a que falta no pensamento dele é a de que empresários são pessoas que fazem contas. Diferentes daquelas do interesse do autor. Converse com os empresários ou monte um comércio que você poderá compreender os reais motivos para preferir outras formas de pagamento do que dos cartões. Sem falar que controlar os repasses de cartões de créditos com diversas datas de pagamento... Para ser tão bom quanto a propaganda diz, o sistema de cartões ainda precisa evoluir um bocado. Obs.: não sou contra o sistema de cartões, inclusive utilizo este sistema de pagamentos, mas não concordo com todos os argumentos dos vendedores do sistema.
-
Olá Felipe, Bom Dia;

Obrigado pela sua participação no boletim! Sobre pagamento com cartões: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/capa_guia_para_o_empresa-urio_final_baixa%20copia_merged.pdf

O Sebrae disponibiliza diversos cursos gratuitos. As inscrições para o curso podem ser feitas pelo endereço http://www.ead.sebrae.com.br/. Ou diretamente neste link: http://www.ead.sebrae.com.br/lista-de-cursos/
-
Indiscutivelmente as tarifas cobradas pelas operadoras...aluguel de máquina, 2,5% para pagamento no débito, crédito para vencimento com antecipação do recebível quase 10%. Tarifas, taxas abusivas, o Procon só sabe dizer que o preço a vista (dinheiro) tem que ser o mesmo que no débito ou crédito. Questionar, cobrar das operadoras as taxas ABUSIVAS o Procon NÃO se mexe. Claro que quem vai pagar a conta sempre será o consumidor. Achar, acreditar que os preços praticados pelos grandes magazines a vista ou parcelado é o mesmo valor, não há encargos financeiros embutidos...é "só pra inglês ver". Quem quiser pagar a vista( em dinheiro) que pague mais caro...
-
 Olá Ricardo, Bom Dia;

Obrigado pela sua participação no boletim! Sobre pagamento com cartões: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/capa_guia_para_o_empresa-urio_final_baixa%20copia_merged.pdf
-
Trabalho com um sistema inovador que a faz a Gestão de Vendas no Cartão, a maior dificuldade que o comerciante nos fala é que não conseguem administrar as suas vendas no cartão, pelo Portal das operadoras, é nesse contexto que o nosso sistema entra, fazemos a conciliação da venda, do recebimento e a bancária, nestes processos detectamos muitos problemas que o comerciante não consegue detectar no seu dia dia.

Boletins especiais