Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Como manter o controle financeiro na crise?

Edição: 05/2016

Em tempo de instabilidade e dinheiro escasso, uma boa gestão financeira pode garantir a saúde da sua empresa e, por que não dizer também, a sua tranquilidade. Algumas decisões e atitudes podem afetar de maneira positiva a liquidez e os resultados operacionais dos negócios. Isso significa que os recursos que entram no caixa são suficientes para pagar seus compromissos.

Mas quais decisões são importantes para manter o controle financeiro de sua empresa em momentos de economia turbulenta?

- Redução de estoques de materiais ou de mercadorias (estoques excedentes).

- Redução dos prazos de recebimentos de vendas, mediante o aumento das vendas à vista, a promoção de ações efetivas de cobrança e a melhoria no crediário para reduzir os valores em atrasos com as vendas a prazo.

- Aumento de prazos para pagamentos aos fornecedores.

- Entrada de novos recursos no caixa, frente à integralização de capital dos sócios e à venda à vista de equipamentos ociosos.

"Analisando os tópicos citados, verificamos que, para cuidar da gestão financeira, o empreendedor precisa lidar com dados o tempo todo. Se a empresa tem números confiáveis, ele consegue informações por meio dos controles financeiros. Podemos assim dizer que a finalidade dos controles financeiros é gerar informações úteis e confiáveis para o empresário tomar decisões", explica a analista da Unidade de Atendimento do Sebrae Minas, Beatriz de Carvalho.

Para tanto, é necessário definir quais são as informações úteis e, em seguida, organizar os controles para fornecer esses dados. Para a maioria das empresas de pequeno porte, independentemente do setor de atividades, os controles financeiros fundamentais são: controle diário de caixa e de bancos; controle diário de vendas; controle mensal de contas a receber; controle mensal de contas a pagar; controle mensal de despesas; controle diário de estoques; fluxo de caixa e apuração de resultados.

Os controles relacionados geram dados para serem levados para o fluxo de caixa, que é um instrumento gerencial em que são controladas e informadas as movimentações financeiras da empresa. Um controle de fluxo de caixa bem feito evita, entre outros transtornos, alto custo de crédito, taxas de juros elevadas, redução do faturamento e outros fantasmas que rondam os empreendimentos.

Para manter o controle de fluxo de caixa organizado, fique atento às seguintes orientações:

- Avalie se as vendas atuais serão suficientes para cobrir os desembolsos futuros já identificados.

- Verifique se os recursos financeiros próprios são ideais para tocar o negócio em determinado período ou se há necessidade de recursos de terceiros.

- Tome decisões antecipadas ao perceber a falta ou sobra de dinheiro na empresa.

- Avalie se o recebimento das vendas é suficiente para cobrir os gastos assumidos e previstos no período.

- Verifique a necessidade de realizar promoções e liquidações, reduzir ou aumentar preços.

- Utilize a ferramenta de Apuração de Resultado para lançar os dados reais da empresa, determinando o Ponto de Equilíbrio. Este vai lhe informar se o negócio está gerando lucro ou prejuízo.

- Trace as estimativas de vendas e custos no mínimo para os quatro meses subsequentes e atualize continuamente os dados, tornando essas ações parte da rotina do negócio.

- Preveja custos de modo que possam ser reduzidos sem afetar o funcionamento da empresa.

- Defina as estratégias de vendas para atingir o volume necessário.

- Direcione os esforços para garantir a sobrevivência e o crescimento de seu negócio.

Agora, é hora de mudar velhos hábitos que não deram resultados. Começar o ano fazendo registros financeiros irá possibilitar acertar mais nas finanças do que errar. Administrar com mais razão e menos emoção é o mesmo que dizer: administrar com mais profissionalismo e menos amadorismo. Sua empresa vai agradecer mostrando melhores resultados.

E não se esqueça: o que paga dívida é faturamento, portanto, fuja das linhas de crédito. Um empréstimo alivia a situação no curto prazo, mas gera endividamento no médio prazo. O pagamento dos empréstimos significa mais despesas a serem pagas com o mesmo faturamento.

Fonte: PEGN

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (1)

-
(44) achei otima ideia
-
 Obrigado pelo comentário!

Boletins especiais