Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Consultoria capta 200 milhões para alavancar empresas

Edição: 07/2016

Enquanto o país atravessa um período de recessão, encontrar a melhor forma de obter dinheiro pode ser a chave para o sucesso de um empreendimento. A idr Consultoria (www.idrconsultoria.com.br) aposta em fontes de financiamento governamentais e privadas para capitalizar empresas. A expertise da empresa inclui, entre outros, a captação a fundo perdido oferecida pelo governo – investimentos sem necessidade de devolução. Só a FAPESP (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo) dispõe de quase R$ 60 milhões anuais na modalidade.

Os recursos a fundo perdido, também chamados de subvenção ou recursos não reembolsáveis, requerem um projeto que traga inovação tecnológica em nível mundial. “Este nem sempre é o objetivo da empresa, mesmo quando existe um perfil de investir em pesquisa”, conta Lucas Aquino, sócio da idr. “Às vezes, o que nossos clientes buscam são recursos para expandir a operação, por exemplo”, afirma. E há, para isso, uma grande diversidade de programas públicos e privados, com linhas de investimento voltadas para capital de giro, aquisição de outras empresas, ampliação fabril ou comercial, internacionalização, entre outros objetivos.

O papel da idr Consultoria é entender as necessidades do negócio, analisar sua capacidade de endividamento, avaliar a viabilidade de captação junto a fundos de venture capital e criar um plano de obtenção de recursos que geralmente engloba mais de uma fonte de forma a otimizar o resultado almejado. “Ao contrário de assessorias especializadas em apenas um mecanismo de apoio, nós buscamos analisar o todo para maximizar a utilização dos programas em uma estratégia combinada de recursos”, explica Aquino.

Foi o que aconteceu com a Navita, empresa que oferece soluções de gerenciamento de gastos com telecomunicações. Frente ao desafio de desenvolver novas tecnologias para fortalecer e ampliar sua atuação, a companhia buscou a idr para viabilizar fundos para um novo projeto. “Identificamos juntos diversas maneiras para conseguir esse capital. No final, ficamos aptos a emprestar alguns milhões via BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e captar a fundo perdido de programas da FAPESP e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico)”, conta o CTO (Chief Technology Officer) Fábio Nunes.

Na Dínamo Networks, por sua vez, o desafio era diferente. Com uma capacidade financeira limitada, a empresa que fabrica softwares e hardwares de criptografia para proteção de informações buscava uma maneira de viabilizar um novo produto. “Foram dois anos quebrando a cabeça para conseguir um edital da FAPESP e nada. Fizemos a parceria com a idr e tudo deu certo. Sem eles não teríamos conseguido”, diz Celso Souza, diretor executivo da Dínamo, que aprovou a subvenção com a fundação paulista e já iniciou o desenvolvimento do projeto.

Ao apostar num trabalho que ajuda empresas a aproveitarem esse gap, a idr espera atingir a meta de 50 projetos de captação no ano de 2017.

Fonte: idr Consultoria

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (1)

-
(45) A dificuldade de conseguir empréstimos imediato dificulta a pequena empresa, quando o pequeno empresário vai em busca de um socorro geralmente demora muito a burrocracia é grande e a demora faz o pequeno entrar na inadimplência e por isso termina não conseguindo o objetivo, sabendo as altoridades que a pequena empresa e responsável pela maior fatia dos empregos.
-
 Obrigado pelo comentário José!

Boletins especiais