Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


3 dicas para cortar custos sem perder eficiência

Edição: 07/2016

Em março deste ano, as micro e pequenas empresas brasileiras demitiram quase 50 mil pessoas, segundo dados de um estudo mensal elaborado pelo Sebrae, com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência Social.

O saldo negativo na geração de empregos é sinal de que as contas não estão fechando e é preciso cortar custos. “Em momentos de retração da economia e incerteza, as empresas, principalmente as de menor porte, enfrentam grandes dificuldades em manter ou expandir as vendas”, diz Diogo Feliciano, sócio-diretor da Orbe Consultoria, especializada em redução de custos.

Confira a seguir três dicas para cortar custos sem perder eficiência:

1. Conheça os gastos
Conhecer todos os gastos da sua empresa é o primeiro passo antes de decidir o que cortar. “É comum que as empresas acabem por investir tempo em linhas de gasto com pouca ou nenhuma oportunidade pelo simples fato de não terem a visibilidade correta dos gastos como um todo”, diz Feliciano. Por isso, estruture uma planilha que contemple todas as despesas e foque no que trás retorno no curto e médio prazo.

2. Cuidado com cortes que geram despesas
Um problema comum nas empresas é cortar custos e gerar mais gastos. Parece contraditório, mas acontece com frequência. “Por exemplo, um cancelamento de contrato pode incorrer em multas. Essas ações devem ser feitas de forma sustentável, garantindo que os benefícios sejam realmente atingidos no prazo planejado”, diz o consultor. Antes de resolver cortar um contrato ou mesmo realizar demissões, faça as contas se o impacto não será maior para o negócio.

3. Foque no resultado
Cortar custos sem afetar a margem é uma tarefa difícil e exige dedicação dos empreendedores. “É preciso olhar para dentro de casa, aplicando iniciativas de redução de custos sustentáveis. Isso ajudará a reduzir o impacto na sua margem final, sendo crucial para o empresário enfrentar este momento de turbulência”, diz Feliciano.

Com os gastos bem conhecidos, priorize os cortes que não afetam diretamente o resultado ou as vendas. “Definir o grau de prioridade das áreas depende de um estudo completo, que envolve nível de agregação de valor, tamanho, custo e impacto no negócio”, afirma.

Fonte: PEGN

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (3)

-
(44) gostei manda mais ajuda nos melhorar
-
 Obrigado pelo comentário Ines, vamos continuar mandando informações.
-
(41) Na atual conjuntura toda a ajuda é ainda mais bem vinda, e a alavancagem das empresas nesse momento dificil requer sim muita habilidade e a percepção e análise dos gastos se faz ainda mais necessário, falo isso por experiencia própria que comecei a ser também mais minucioso e ja vi resultados pequenos mas palpável capaz de fazer a diferença!
-
 Olá Benedito, obrigado pelo comentário e parabéns por conseguir resultaldos melhorando a sua gestão!
-
(41) Na atual conjuntura toda a ajuda é ainda mais bem vinda, e a alavancagem das empresas nesse momento dificil requer sim muita habilidade e a percepção e análise dos gastos se faz ainda mais necessário, falo isso por experiencia própria que comecei a ser também mais minucioso e ja vi resultados pequenos mas palpável capaz de fazer a diferença!
-
 Obrigado peno comentário Benedito!

Boletins especiais