Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Vaidade abre mercado para novos empreendedores

Edição: 10/2011



São Paulo – Depois de mais de 20 anos na França, a estilista Renata de Barbosa Ingold Boudon voltou ao Brasil cheia de vontade de fazer as unhas em uma manicure. “Na França, as pessoas não têm esse hábito”, explica. O desejo de Renata fez com que ela criasse a Disk Manicure. “Comecei a prestar atenção nos salões e achava aquilo pouco higiênico. Abri a empresa por uma necessidade pessoal”, conta.

Mais do que a vontade de ter a própria manicure em casa, Renata aproveitou o bom momento do mercado de beleza e estética. Os dados de uma pesquisa encomendada pela Associação Nacional do Comércio de Artigos de Higiene Pessoal e Beleza (Anabel) mostram que, tanto no comércio como em serviços, o setor está aquecido. O número de salões de beleza cresceu 78% entre 2005 e 2010 o varejo, 26% desde 2007.

Parte desse crescimento está atrelada ao avanço da classe C, que aproveita a renda a mais para investir na aparência. Um estudo feito pelo instituto Data Popular comparou o gasto da nova classe média e da elite com beleza. Em 2010, as mulheres da classe C investiram 19,7 bilhões de reais no setor. Há oito anos, esse gasto era de 6 bilhões. Nas classes mais ricas, o investimento em beleza e estética cresceu 3,6 bilhões de reais no mesmo período.

Para o diretor-superintendente do Sebrae/SP, Bruno Caetano, a soma de baixo investimento e demanda ajudam os empreendedores deste mercado. “Considerando a menor escala de operações, o menor valor de investimento e o acesso relativamente facilitado à tecnologia, é natural que exista um maior número de oportunidades nas áreas de comércio, como de perfumarias, e serviços, como cabeleireiros”, diz.

Como Renata, que hoje administra um rede de oito franquias de manicure em domicílio, outros empresários têm aproveitado o momento para investir no mercado. “Os empreendedores individuais do segmento de beleza e estética estão entre os que mais têm formalizado seus negócios. Salões de beleza e afins representam 7,5% das formalizações entre julho de 2009 e fevereiro de 2011”, diz o diretor-superintendente do Sebrae/SP.

O setor que emprega mais de 3 milhões de pessoas, ainda tem espaço para mais gente. “Eu nunca vi um povo tão vaidoso. Acho que nenhuma área do mercado de beleza está desaquecida e, por isso, a gente tem que estar sempre inovando”, opina Renata.


Para o Caetano, do Sebrae/SP, quem estiver pensando em investir na área precisa conhecer o mercado e se preparar. “Basicamente, o que recomendamos é que, primeiramente, seja feito um plano de negócio e converse com profissionais da área. Saiba qual público atender, a necessidade de capital de giro e o retorno do investimento”, diz.


Na internet
Além dos salões e lojas de cosméticos, o comércio eletrônico também é um canal promissor para a área. Segundo levantamento realizado pelo MercadoLivre, as vendas de produtos de beleza e saúde cresceram 47% só no primeiro semestre deste ano. “Esta categoria cresceu 50% a mais que a média de outras. O consumo feminino vem se estabelecendo no comércio eletrônico e os vendedores identificaram isso”, justifica Helisson Lemos, diretor-geral das operações do MercadoLivre.com para o Brasil.

O crescimento no site, usado na maioria por pequenos e médios empresários, é reflexo de um movimento intenso do mercado de beleza também na internet. Alexandre Seródio, sócio do Belezanaweb, comprova isso. “Essa é uma área muito promissora, mas muita competitiva e acho que a internet é o futuro das vendas diretas”, explica o empreendedor que comercializa produtos profissionais de beleza.

Uma pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) e da consultoria Booz & Co indica que o consumo de cosméticos tem potencial para crescer 5% ao ano em volume nos próximos 4 anos, o que vai fazer o setor passar de 27,3 bilhões de reais para 50 bilhões de reais.

Convivendo com a experiência do pai, que foi executivo do Avon, Seródio conta que aprendeu desde criança a vender para mulheres. Com mais de 30 marcas e 2 mil itens no portfólio, o site faturou 8 milhões de reais em 2010 e pretende dobrar o faturamento neste ano. “Hoje, a empresa cresce até três dígitos por ano e acabou de fechar com um fundo de investimento americano. Por confidencialidade, não posso dizer o nome do fundo ou o valor, mas é o mesmo que investiu no Peixe Urbano e no Netshoes”, conta o empreendedor.

Fonte: http://exame.abril.com.br
 

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (3)

-
quero aprender senpre mais
-
 Olá Valkiria. Obrigado por comentar! Aproveite também para conhecer o nosso Blog: www.sebraepr.com.br/blog. Boa leitura e uma excelente semana para você!
-
Jorge, obrigada por comentar! Sucesso!
-
e otimo estou procura ndo algo para trabalhar em casa

Boletins especiais