Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Como sua empresa pode investir em inovação?

Edição: 09/2010



Se você é empresário e já realizou um levantamento de oportunidades no mercado no qual atua, talvez esta seja a hora certa para implantar determinada inovação em seu negócio. Para isso, necessitará obter recursos de que não disponha, tais como conhecimentos, máquinas, tecnologias, etc. Neste caso, você deverá decidir qual a forma de acesso a esses recursos. A escolha entre uma ou outra opção deverá ser orientada a partir dos seguintes critérios:

• Qual o custo para obter o recurso?
• Qual o grau de apropriação que eu terei?
• Qual o nível de exclusividade que terei?
• Quanto tempo será necessário até que eu implemente a inovação?
• Qual o risco de insucesso ao usar essa ou aquela forma de acesso?

Veja alguns exemplos de investimentos:

Compra
É a compra de insumos, de máquinas e de equipamentos (industriais), que pode ser por catálogo ou através de especificação do produto ou processo. A compra de bens e/ou serviços beneficia empresas no acesso aos meios para “modernizar” as suas estruturas produtivas, de desenvolvimento e/ou de serviços.

Subcontratação
É a contratação de serviços ou processos específicos. A empresa contratante deve ter competência para fornecer as suas demandas (especificações, instruções de uso, testes, etc.) e assume o custo direto do serviço ou processo subcontratado.

Formação de pessoal próprio
É o fomento, no âmbito da própria empresa, para que os funcionários sejam continuamente treinados, aperfeiçoados e adquiram sempre mais conhecimento. Hoje já é necessário investir mais na formação das pessoas do que na compra de equipamentos, pois o sucesso de uma empresa está associado ao desempenho de seus funcionários.

Contratação de especialistas
É a contratação, normalmente temporária, de pessoal altamente qualificado dentro de uma disciplina específica que exige acesso a um conjunto de conhecimentos, que muitas vezes não são acessíveis. Muitas vezes estes conhecimentos são fundamentais ao domínio de uma área estratégica da empresa.

Associações, alianças estratégicas ou redes de empresas
É uma forma de utilizar uma estrutura comum entre empresas similares. Também é uma forma de complementar conhecimentos quando o custo para formá-los ou adquiri-los é muito alto. A primeira forma de associação é a sociedade. Por exemplo, duas ou mais empresas decidem utilizar a estrutura comum de distribuição de produtos. Outra forma de associação, a “joint venture”, é indicada quando se busca a complementaridade de conhecimentos.

Importação explícita de tecnologia
É uma forma de adquirir produtos e serviços mais avançados através do relacionamento com empresas estrangeiras, detentoras de tecnologia que se pretende acessar.

Cópia, engenharia reversa, benchmarking
A cópia é uma adaptação criativa que advém da observação das fontes de informação mercadológica ou tecnológica. É facilmente aplicável a pequenos e médios “produtos”, mas, por vezes, é extremamente difícil copiar processos. Ao aderir ao processo de cópia a empresa deve agregar valor real ao produto copiado, para que tenha um diferencial de sucesso. Igualmente deve atentar para a questão dos diretos de propriedade e patentes. Engenharia reversa e benchmarking (busca das melhores práticas na indústria que conduzem ao desempenho superior) são termos politicamente corretos para o processo de cópia.

Licenciamento
É a concessão de uma licença para explorar uma determinada tecnologia. Pode ocorrer quando a tecnologia é gerada em uma empresa “A” que não tem interesse no produto gerado, repassando esta atribuição a uma empresa “B”. A empresa licenciada, em alguns casos, adquire os conhecimentos da licenciadora.

Criação de um setor para tratar especificamente das inovações
É a criação de um setor específico, com pessoas e infraestrutura voltadas exclusivamente para desenvolver e lançar inovações no mercado. Esse setor deverá se articular com as demais áreas da empresa, como marketing, vendas e produção.


Fonte:
http://www.sebrae.com.br/customizado/inovacao/inovacao/inove-na-sua-empresa/integra_bia?ident_unico=12403

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (4)

-
A tecnologia da informação é primordial para o desenvolvimento de empresas de qualquer tamanho, trabalho com informática em curitiba-pr e por aqui estamos trabalhando a todo vapor para o desenvolvimento de empreendedores e tambem para o nosso próprio.Parabens pela matéria.
-
SOU FORMADO EM ADM E TENHO UMA MICRO EMPRESA DE REVENDA DE ALTO PEÇAS PARA MOTOS, É MUINTO IMPORTANTE SERTOS CONCEITO DE NEGÓCIO QUE VCS MANDO PARA GENTE.
-
É um assunto de interesse de todo empresário. Seria interessante haver um seminário ou curso sobre esse assunto.
-
Bom dia, muito interessante esse assunto de tecnologia e inovação, gostaria de me aprofundar mais no assunto, para esclarecer e tentar apbrir portas a minha micro empresa, vocês vãoabrir uma palestra sobre esse assunto?

Boletins especiais