Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Cinco sinais financeiros de que o negócio não vai bem

Edição: 04/2013

Tempo e paixão empregados na administração do próprio negócio costumam ser ingredientes indispensáveis para o sucesso. Mas, se os indicadores financeiros não apontam para o azul, dificilmente a sua empresa sobreviverá por muito tempo.



“Não é só porque a pessoa gosta muito do seu negócio que ele terá êxito. É preciso agregar valor”, diz Samy Dana, professor da Escola de Economia de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas.
Antes do naufrágio, no entanto, as empresas costumam dar sintomas de que as coisas não vão bem. Preste atenção e ganhe tempo para reverter a situação a seu favor:

1. Quedas seguidas no faturamento ou estagnação nas vendas
As vendas não têm crescido na comparação de um ano para o outro ou, ainda pior, elas têm diminuído. Esse é um sinal claro de que algo precisa ser feito. Em alguns momentos, o problema não é só com o seu negócio, mas conjuntural. “Se estamos em um momento em que o governo federal abre mão da arrecadação para estimular o consumo, é porque a situação não é boa para todo mundo”, diz João Carlos Natal, consultor do Sebrae.

Para Dana, da FGV, outra situação que pode colaborar para a queda nas vendas é o ciclo do produto. Logo após o lançamento, as vendas entram em crescimento. Depois de um tempo, esse ciclo atinge a maturidade e, então, entra em declínio. O tempo entre um ponto e outro da curva depende do mercado e do tipo de produto.

Segundo Natal, do Sebrae, dois movimentos podem ser feitos para melhorar esse cenário. Do ponto de vista de marketing, é possível pensar em estratégias para vender mais. “Comunique-se melhor com o mercado, vá em busca de novos nichos, novos clientes e novas oportunidades”, diz Natal.

Se o mercado estiver estagnado e não for possível aumentar as vendas, o empresário pode montar uma planilha, avaliar seus custos fixos ao longo de um ano e classificar os itens de maior para o menor impacto. Identifique o que é possível reduzir ou renegociar e mexa-se.

2. Estoques cheios 
“Estoque é dinheiro parado. Faça o possível para minimizá-lo”, diz Dana, da FGV. O cálculo para esse número reduzido de produtos armazenados varia de acordo com o tipo de negócio. “Se você tem uma loja de carros e vende uma Ferrari por mês, talvez três seja um número razoável para ter em estoque”, exemplifica.

Segundo Natal, do Sebrae, muitas vezes os empresários pensam em buscar financiamento e não avaliam o valor imobilizado que têm em produtos estocados. Em setores com sazonalidade, como é o caso da moda, é importante ficar atento à época do ano para liquidar o produto antes que a estação mude.

3. Falta de capital de giro e endividamento
Uma das principais dificuldades das pequenas e médias empresas é o cálculo do capital de giro. Ele é fundamental para o bom andamento financeiro dos negócios e, no entanto, acaba deixado de lado muitas vezes. “O capital de giro é o descolamento entre o tempo para pagar os fornecedores e receber dos clientes”, diz o consultor do Sebrae. A dificuldade em realizar esse planejamento leva muitos empresários a recorrer ao empréstimo imediato, como o cheque especial, que costuma oferecer os juros mais altos do mercado. “Para colocar as contas em dia, o empresário deve levar em conta não apenas o valor negativo no banco, mas também o capital de giro”, diz Natal.

Para Dana, da FGV, a tomada de crédito no mercado nem sempre é uma opção ruim. “Uma linha de financiamento pode ser mais barata do que usar capital próprio, o qual está relacionado à remuneração de acionistas”, diz. Segundo o professor, o percentual de endividamento saudável varia de negócio para negócio e de acordo com o setor, mas fica entre 40% e 60% da receita, geralmente.

4. Aumento na inadimplência dos clientes
Segundo Natal, do Sebrae, considera-se inadimplência quando o título vai a protesto judicial. “Se há inadimplência, isso já é preocupante”, diz o consultor. De acordo com ele, os atrasos no recebimento de clientes devem ser considerados e calculados no capital de giro. “Quem está financiando a empresa quando há prazo para o recebimento é você”, diz.

Ele sugere acrescentar de 1% a 2% na formação do preço de venda, se o mercado e a concorrência tornarem isso possível, para tentar reverter os prejuízos. “Quando a inadimplência no mercado aumenta, os bancos aumentam os juros. O mecanismo é o mesmo nas empresas”, diz.

5. Quedas na produtividade e na rentabilidade
Para os consultores, não existe um percentual fixo esperado de rentabilidade em uma empresa. Mas alguns parâmetros devem ser observados. Segundo Natal, do Sebrae, o empreendedor deve perseguir uma rentabilidade maior do que a poupança – 6% ao ano, no mínimo. “Caso contrário, é mais barato aplicar esse dinheiro do que ter o trabalho de gerenciar uma empresa”, diz.

Segundo Dana, da FGV, quanto maior o risco, maior deve ser o retorno. “Em economia chamamos isso de custo de oportunidade do dinheiro”, diz. Outra referência é a taxa básica de juros, a Selic, que está em 8% ao ano.

Fonte
Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Comentários (5)

-
Prezados, tenho uma dúvida com relação a informação de que o endividamento pode estar entre 40 a 60 % do faturamento. Achei muito elevado. Poderiam me esclarecer? Obrigado
-
Olá Flávio.

Gostaríamos de conversar com você detalhadamente, para que possamos passar informações mais completas.

Para tanto, pedimos que acesse o SEBRAE RESPONDE no link:
http://app.pr.sebrae.com.br/JCorporativo/Fale.do


Se preferir, agende uma consultoria presencial pelo 0800 570 0800

Abraços e sucesso!

Equipe SEBRAE/PR
-
MUITO BOA MATERIA NO MEU NEGOCIO ESTA ACONTENCENDO EXATAMENTE ISSO FAZ CINCO ANOS QUE NAO CONSIGO AUMENTAR AS VENDAS, JA ESTOU PROCURANDO AGREGAR OUTROSD SERVIÇOS NO MEU NEGOCIO PRIMITIVO QUE IND E LOC DE MESAS DE BILHAR E EM PARALELO ENTRANDO EM OUTROS RAMOS ESTOU ENTRANDO NO RAMO DE GERENCIAMENTOS DE RESIDUOS SOLIDOS COMPRA E VENDA DE MATERIAS RECICLAVEIS, ESTOU TENDO DIFICULDADE POR FALTA DE CAPITAL DE GIRO E INVESTIMENTOS. AGUARDO COMENTARIOS
-
Olá Luiz,

Parabéns pela sua resiliência e pelo seu espírito empreendedor. Conte conosco no que você precisar!

Abraços e sucesso!
-
gostei muito bom to precisando dessa injeçao
-
Paulo, obrigada por comentar! Abraços e sucesso!
-
Há bem da verdade não precisamos de esmolas deste ou daquele mas sim que tenhamos condições justas de trabalho e em linha com as receitas que oferecemos ao país. Taxas de juros compatíveis que possibilitem o crescimento do negocio, desoneração da folha de pagamento, redução da carga tribuitária são atitudes simples que provocariam o crescimento das pequenas empresas. Infelizmente ainda temos muito que mudar.
-
João, excelente comentário! Sucesso!!!
-
-- O NOSSO MAIOR PROBLEMA, DOS PEQUENOS EMPRESARIOS, É A FALTA DE AJUDA DOS BANCOS E GOVERNOS, POIS NAO TEMOS O TAL CAPITAL DE GIRO NESSESSARIO PARA PAGAR AS CONTAS QUE VIRAO ANTES DO RECEBIMENTO. EXEMPLO MEU CASO VENDO EM ATE 4X MEUS EQUIPAMENTOS, MEUS FUNCIONARIOS,TELEFONE,AGUA , LUZ, ENCARGOS, IMPOSTOS,CONSERTOS DE VEICULOS, , DECIMO TERCEIRO,DISPEZAS COM VIAGENS PARA EXECUTAR SERVIÇOS, FERIAS DE FUNCIONARIOS, GPS, DAS, FGTS. ESTES TIPOS DE GASTOS NAO SE PARCELA EM 4X . A PORCARIA DO MEU BANCO SO ME DA 20.000.00 DE CAPITAL DE GIRO , SENDO QUE PAGO EM MEDIA R$ 80.000.00 DE CONTAS TODO MES. E AI PARA RECORRER ? CHEQUE ESPECIAL, TROCAR CHEQUE COM AGIOTA E MANDAR MEU LUCRO PRO RALO, NO MEU ENTENDER O GOVERNO TANTO FEDERAL, COMO ESTADUAL, NAO TE APOIA COM DEVERIA APOIAR. TENHO POTENCIAL PARA CRESCIMENTO, MAS FICO EMPEDIDO DE CRESCER. POR FALTA DE CREDITOS. ESTE E O NOSSO BRASIL DE FAXADA.
-
Sidney, muito pertinente seu comentário. Sucesso nos seus negócios!

Boletins especiais