Histórico

Mais votados

Cadastre-se

Preencha os campos abaixo para receber o Boletim do Empreendedor gratuitamente:


Governança que cria valor

Edição: 10/2013

Na esteira do pagamento de bônus milionários para executivos de empresas que não entregam resultados, a governança corporativa (GC) se tornou um dos temas mais comentados no mundo empresarial. O assunto chegou ao mundo das startups, e nenhum empreendedor deixa de mencionar sua afinidade com o tema numa reunião com investidor.



No entanto, existe uma ausência generalizada de compreensão a respeito do tópico. Trata-se das regras de convivência entre controladores e administradores de uma empresa. Mais importante: GC pode gerar vantagens competitivas para uma firma, independentemente do porte, pois enriquece o processo de tomada de decisão. O desafio é implantá-la sem prejudicar um dos maiores diferenciais de uma startup: a agilidade. Neste artigo, vamos esclarecer o que é governança na prática e mostrar por que agrega valor para nossas startups.

O primeiro passo para criar GC numa startup é estruturar as três instâncias deliberativas básicas: a assembleia de acionistas, o conselho de administração e a diretoria estatutária. Abaixo segue o modus operandi padrão de cada uma das instâncias:

1) Assembleia de acionistas
a. Distribuição de poder: é a instância máxima de tomada de decisão. O poder é distribuído pelo capital votante (ações ordinárias); é o fórum dos “donos da companhia”.
b. Principais funções: vigoram como principais papéis a escolha dos conselheiros e as decisões sobre fusões, aquisições, novos aportes e venda da empresa.
c. Periodicidade de reuniões: ao menos uma vez por ano, para nomear membros do conselho de administração, aprovar as contas da empresa do ano anterior e discutir as atividades do negócio.
d. Como ajuda a criar valor em uma startup: cria a cultura de prestação de contas no resto da companhia, pois os resultados precisam ser aprovados por esse fórum.

2) Conselho de administração
a. Distribuição de poder: é um fórum de orientação estratégica; cada conselheiro, eleito pela assembleia de acionistas, tem direito a um voto.
b. Principais funções: deliberações sobre gastos e empréstimos em valores altos (que superam em algumas vezes a média de gastos operacionais), contratação e demissão de funcionários chave, planejamento estratégico, definição de metas, indicadores e remuneração da diretoria.
c. Periodicidade de reuniões: mensais, para acompanhar o andamento das atividades e a proximidade do planejamento com a realidade (orçado vs. realizado).
d. Como ajuda a criar valor em uma startup: Um conselho experiente e atuante serve como uma bússola para a diretoria. Define a rota e acompanha a navegação da empresa.

3) Diretoria estatutária
a. Distribuição de poder: exige-se no mínimo um diretor presidente e um diretor financeiro, mas podem existir outros.
b. Principais funções: executar o planejamento estratégico delineado pelo conselho.
c. Periodicidade de reuniões: semanais ou até diárias, dependendo da necessidade de interação entre os diretores para tomada de decisão.
d. Como ajuda a criar valor em uma startup: mantém uma linha de frente 100% focada na execução.

A definição de instâncias deliberativas estimula uma cultura de prestação de contas. Cada órgão deve preparar relatórios para a instância superior, além de embasar e documentar suas posições. Decisões importantes passam a ser responsabilidades dos cargos, não das pessoas que os ocupam, minimizando traumas decorrentes da perda de profissionais.

Uma boa dose de GC, portanto, ajuda uma startup a formar um processo decisório compartilhado, transparente e bem informado. Permite que várias cabeças, de diferentes perfis, discutam e deliberem sobre assuntos importantes com profundidade, agilidade e menor assimetria de informações. Uma boa estrutura de governança é um ingrediente crítico não somente para aproveitar toda a riqueza do capital humano de uma empresa, mas também para manter o processo decisório funcional e eficiente durante a expansão acelerada de um negócio. Quem cria um negócio para ser grande não deve deixar de investir em governança corporativa.

Fonte
Pequenas Empresas & Grandes Negócios

 

Deixe seu comentário:









Digite este número...

O que você achou desta matéria?

Vote e ajude-nos a melhorar.



Os seu e-mail e o seu CPF não serão exibidos nos comentários. Eles serão guardados em nossa base para podermos atender você, cada vez melhor!

Boletins especiais